Frederico Vasconcelos

Interesse Público

 -

Repórter especial, trabalha na Folha desde 1985. No blog, reúne textos investigativos, aborda gastos públicos, política nacional e judiciário.

PERFIL COMPLETO

Publicidade
Publicidade

“Afinal, o que pretende o Doutor Wedy?”

Por Frederico Vasconcelos

O texto a seguir, enviado ao Blog no último dia 10, é de autoria de Roberto Modesto Jeuken. Juiz Federal desde 1/2/1995, o autor é titular da 7ª Vara Federal de Ribeirão Preto (SP), desde novembro de 1998.

O que afinal pretende o Doutor Wedy ?

No encontro nacional nada adiantou acerca do Mandado de Segurança com a AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) e ANAMATRA (Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho) contra a nossa corregedora nacional, e nos estertores do ano judiciário assina procuração (detêm legitimidade jurídica para tanto, mas não avisto a moral por conta do silêncio no encontro) para o mister. 

 Desde então a AJUFE ficou a posar de “papagaia de pirata” nos ombros da AMB, a meu ver jogando ao léu o patrimônio moral e a respeitabilidade conquistada a duras penas por administrações anteriores. Responde “automaticamente” até os “espirros” da corregedora Eliana, nossa colega “de carreira”, foi substituta, titular, desembargadora federal e agora é ministra, dignificando a carreira dos juízes federais, “da federal”. Se dependesse só deste pobre juiz, estava “automaticamente” reconduzida para mais um biênio no Conselho Nacional de Justiça – precisa terminar o que começou.

Não obstante as reiteradas notas de repúdio à corregedora nacional, nenhuma palavra acerca da manifestação do ministro Gilmar Mendes quanto ao alardeado fim do “foro privilegiado”. Para situar os navegantes, e talvez o próprio Doutor Wedy, o ministro falou que a “primeira instância não trabalha”. Isto não equivaleria a chamar os juízes de “vagabundos” também? E nenhuma notinha sequer a respeito – silêncio total.

Precisou um juiz de direito gaúcho falar por si, fazendo as vezes da associação dele no Estado. Da AMB, certamente, também. E para mim serve como nota da AJUFE. Creio que aqui mesmo neste blog e/ou no CONJUR há poucos dias.

 Afinal, o que pretende o Doutor Wedy?

 Nem minhas duas ou três respostas a notas da AJUFE (uma delas repudiando o ato da OAB em defesa da nossa colega “de carreira” Eliana Calmon) a AJUFE divulgou para todos os associados, embora tenha eu reiterado este pedido. É ver meu e-mail em reposta “quase que automática” a divulgação da nota no e-mail institucional, tão logo por ela divulgada. Reitero-o novamente, aqui e agora.

Vale dizer, a AJUFE pode entupir nossas caixas de e-mails com o que bem entender, mas não se digna a divulgar as manifestações de seus associados, mesmo quando estes  solicitam. Assim, temos que lavar a roupa fora de casa. No meio da rua. Paciência.  

Então o que pretende o Doutor Wedy?

Não sou candidato a qualquer cargo associativo que seja. Não votarei nas chapas inscritas, a exemplo de anos anteriores. Apenas vejo as coisas (do meu jeito, é certo) e às vezes (em dezesseis anos de magistratura deve ser a primeira vez que assim procedo – no máximo, é uma das duas ou três vezes – jamais em época eleitoral) e creio ser de utilidade dizer o que penso aos demais pares.

Respeito profundamente, como não poderia deixar de ser, o entendimento (silêncio também é entendimento) da carreira.

Blogs da Folha

Categorias

Sites relacionados

Publicidade
Publicidade
Publicidade