Frederico Vasconcelos

Interesse Público

 -

Repórter especial, trabalha na Folha desde 1985. No blog, reúne textos investigativos, aborda gastos públicos, política nacional e judiciário.

PERFIL COMPLETO

Publicidade
Publicidade

Amagis homenageia conselheiro do CNJ

Por Frederico Vasconcelos

Presidente define ato como “dever cívico” e “sadia expressão da mineiridade”

A Amagis (Associação dos Magistrados Mineiros) homenageou o ministro do Tribunal Superior do Trabalho e membro do Conselho Nacional de Justiça Carlos Alberto Reis de Paula, em almoço oferecido no parque esportivo da entidade, no dia 31/3.

Segundo revela a entidade, Reis de Paula, mineiro de Pedro Leopoldo, “foi agraciado com uma placa, na qual a Amagis destaca o reconhecimento pelo trabalho desenvolvido em sua carreira e a admiração pelo culto das mais caras tradições mineiras”.

O presidente da Amagis, juiz Bruno Terra, disse que a homenagem “é dever cívico, pois se trata de um dos maiores valores da cultura jurídica a despontar nacionalmente, engrandecendo o nome de Minas Gerais”.

Acrescentou, ainda, que “o reconhecimento aos grandes vultos mineiros é tradição das administrações da Amagis, em diversas fases da vida associativa, e que deve continuar como sadia expressão da mineiridade”.

Para o secretário-geral da AMB, desembargador Nelson Missias de Morais, a homenagem é uma forma de reconhecer e valorizar as pessoas de Minas que se destacaram na república como o ministro Reis de Paula, que representa a grandeza do Estado e os valores mineiros em todo o país.

“O trabalho da Amagis de valorizar nomes que ocupam cargos públicos importantes na república é de muita efetividade e importância”, afirmou.

O vice-presidente Administrativo da Amagis, desembargador Herbert Carneiro, disse que “o ministro sempre foi um apoiador das causas de Minas e que, por isso, o reconhecimento prestado pela entidade, para além das homenagens torna Reis de Paula sócio honorífico da Associação, é motivo de orgulho para toda a magistratura mineira”.

O desembargador Baía Borges revelou que, desde os tempos de estudante, o colega era visto como uma das mentes mais brilhantes do curso, o que foi confirmado com o tempo, a partir do ingresso de Reis de Paula na Justiça do Trabalho, consequentemente no TST e, mais recentemente, no CNJ.

Para o juiz André Luiz Amorim Siqueira, a homenagem é mais do que justa, pois o trabalho dele no TST e no CNJ demonstra que ele é uma pessoa justa, equilibrada e correta.

Blogs da Folha

Categorias

Sites relacionados

Publicidade
Publicidade
Publicidade