Segurança do STF no julgamento do mensalão

Por Frederico Vasconcelos

O Supremo Tribunal Federal informa em seu site que o ministro Ayres Britto estuda a possibilidade de utilizar a Polícia Federal para reforçar a segurança nas imediações do tribunal durante o julgamento do mensalão.

Na semana passada, o presidente do STF conversou com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que colocou o Departamento da Polícia Federal à disposição da Corte para garantir a segurança das pessoas presentes e das instalações do Supremo.

Reportagem de Raymundo Costa, Fernando Exman e Juliano Basile, no “Valor Econômico” desta quinta-feira (26/7), revela que causou mal-estar no governo a sugestão de Ayres Britto de que o tribunal poderia recorrer à Força Nacional de Segurança para aumentar a segurança em torno do prédio do STF durante o julgamento do mensalão.

“Entre as atribuições constitucionais da Força Nacional de Segurança não consta fazer a segurança de órgãos públicos”, afirma o jornal.

Segundo a reportagem, não há o menor indício de que a integridade do Supremo (do prédio e dos ministros), dos advogados de defesa e dos acusados está de alguma forma ameaçada.

Apesar de a Central Única dos Trabalhadores (CUT) ter ameaçado fazer manifestações, na hipótese de considerar que o julgamento pode ser mais político que técnico, até agora não se configurou nenhuma situação que não possa ser resolvida pela Polícia Militar do Distrito Federal, afirmam os jornalistas.