MPF pede a Dilma Rousseff informações sobre sindicância envolvendo Rosemary Noronha

Por Frederico Vasconcelos

Pedido de dados sobre sindicância havia sido negado pela Casa Civil

O Ministério Público Federal em São Paulo enviou à presidente Dilma Rousseff –por intermédio do Procurador-geral da República, Roberto Gurgel– pedido de informações sobre o processo administrativo de Rosemary Noronha, ex-chefe de gabinete regional da Presidência da República em São Paulo.

O requerimento foi feito pelo MPF diante da negativa da Casa Civil da Presidência da República em atender pedido anterior.

Rosemary está sendo processada na esfera criminal pela suspeita de prática dos crimes de tráfico de influência, falsidade ideológica, corrupção passiva e formação de quadrilha.

A ex-servidora agora é alvo de um inquérito civil público para apurar eventuais responsabilidades também na esfera cível pelos fatos investigados na Operação Porto Seguro.

Em ofício datado de 22 de maio, o procurador da República José Roberto Pimenta Oliveira volta a requisitar a cópia integral do processo administrativo (sindicância e/ou processo disciplinar) instaurado para apurar os ilícitos funcionais atribuídos a Rosemary.

O ofício à Presidência foi enviado um dia depois de o MPF haver divulgado nota oficial afirmando que a Casa Civil negara acesso à sindicância.

“Independentemente do mérito da alegação da Subsecretaria para Assuntos Jurídicos da Casa Civil”, ressalta o procurador, “o importante é o acesso mais célere possível aos autos do processo”.

O procurador também encaminhou ofício ao chefe da Controladoria-Geral da União, Jorge Hage Sobrinho, requisitando informações sobre “todos os processos administrativos em curso”.