Frederico Vasconcelos

Interesse Público

 -

Repórter especial, trabalha na Folha desde 1985. No blog, reúne textos investigativos, aborda gastos públicos, política nacional e judiciário.

PERFIL COMPLETO

Publicidade
Publicidade

CNJ prioriza investigação sobre TJ do Paraná

Por Frederico Vasconcelos

– Falcão inclui no programa Justiça Plena apuração envolvendo dirigente do TJ-PR.

– Denúncias contra desembargador surgiram em inspeção na gestão de Eliana.

 

O corregedor nacional de Justiça, ministro Francisco Falcão, incluiu no “Programa Justiça Plena” as investigações envolvendo magistrados do Tribunal de Justiça do Paraná, inclusive o presidente da Corte, desembargador Clayton Camargo, suspeito de venda de sentença e tráfico de influência. O programa foi criado para monitorar casos de grande repercussão social e remover entraves no andamento de processos.

As denúncias chegaram ao CNJ ainda na gestão da ex-corregedora nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon, e passaram a ser apuradas.

Camargo foi autor de ação que censurou o jornal “Gazeta do Povo“, do Paraná, mas desistiu de recurso, “em respeito à imprensa”, segundo afirmou em entrevista concedida a Estelita Hass Carazzai, publicada neste sábado (7/9), na Folha.

O desembargador disse que resolvera processar o jornal “em defesa da minha integridade, da minha honra”. Ele afirmou ter julgado “uma quantidade imensa de recursos que contrariaram interesses da família” [proprietária do jornal].

“Se o principal veículo de comunicação do Paraná divulga que um juiz está sendo investigado por venda de sentença, isso inviabiliza que ele continue na função. Quanto mais se esse juiz é presidente do Tribunal de Justiça, quanto mais se esse feito corre em segredo de Justiça”, afirmou o presidente do TJ-PR.

Sobre as suspeitas investigadas pelo CNJ, o desembargador afirmou:

Sabe como funciona o CNJ? Qualquer matéria veiculada na imprensa eles têm obrigação de instaurar procedimento investigativo. Todo dia estou prestando informação ao CNJ. As pessoas prestam declaração mesmo que seja totalmente falsa. Digo a você: não houve venda de sentença. Não houve tráfico de influência. Vou ser absolvido“.

Em abril, sob o título “Corregedor promete ser rigoroso na apuração de denúncias contra membros do TJ-PR”, o CNJ informou em seu site que Falcão “acompanhou pessoalmente os últimos dias da correição no Tribunal de Justiça do Estado do Paraná”.

“Temos denúncias que vão ser apuradas. Não posso me antecipar. Só quero dizer que, se essas denúncias forem confirmadas, a Corregedoria vai agir com muito rigor e para isso eu tenho o apoio integral do ministro Joaquim Barbosa (presidente do CNJ)”, disse Francisco Falcão, ao ser abordado pela imprensa local. Ele estava acompanhado do [então] conselheiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Jefferson Kravchychyn.

Blogs da Folha

Categorias

Sites relacionados

Publicidade
Publicidade
Publicidade