Janot forma equipe de apoio do gabinete

Por Frederico Vasconcelos

PGR convoca Welligton Cabral Saraiva e Vladimir Aras para o grupo de auxiliares.

 

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, cumpre promessas de campanha: nomeou um grupo de experientes procuradores da República para auxiliá-lo no gabinete da PGR. Ao mesmo tempo em que pretende reforçar a atuação institucional da Procuradoria-geral, rompendo o isolamento do órgão, ele dá sinais de independência em relação ao Legislativo, ao convocar para sua equipe dois procuradores que tiveram as carreiras prejudicadas por manobras no Senado para atingir o antecessor, Roberto Gurgel.

Janot designou o procurador da República Wellington Cabral Saraiva para prestar auxílio à Secretaria de Apoio Jurídico em seu gabinete, pelo prazo de 30 dias. O novo PGR também designou o procurador da República Vladimir Aras para prestar auxílio, no mesmo período, à Secretaria de Cooperação Jurídica Internacional.

Saraiva teve sua recondução ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) rejeitada pelo Senado, em agosto,veto atribuído a uma retaliação ao ex-procurador-geral da República. Em votação secreta, Saraiva recebeu 38 votos favoráveis e 21 contrários, mas as regras do Senado exigem o mínimo de 41 votos.

Em julho, Aras teve seu nome rejeitado pelo Senado para compor o colegiado do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), em manobra igualmente interpretada como uma forma de desgastar Gurgel.

Escolhido por unanimidade pelos colegas do Ministério Público Federal e indicado por Gurgel para o CNMP, Aras precisava de 41 votos para ter seu nome aprovado no plenário do Senado. Obteve 38 votos a favor (três a menos que o necessário), 17 contra e uma abstenção.

Também foram designados para prestar auxílio ao gabinete de Janot os seguintes procuradores: Marcello Paranhos de Oliveira Miller, Douglas Fischer, João Carlos de Carvalho Rocha, Ubiratan Cazetta, Nicolao Dino de Castro e Costa Neto, Daniel de Rezende Salgado e Peterson de Paula Pereira.