Frederico Vasconcelos

Interesse Público

 -

Repórter especial, trabalha na Folha desde 1985. No blog, reúne textos investigativos, aborda gastos públicos, política nacional e judiciário.

PERFIL COMPLETO

Publicidade
Publicidade

AMB critica caos penitenciário no Maranhão

Por Frederico Vasconcelos

Déficit de vagas seria maior: há 5.539 mandados de prisão não cumpridos.

A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) divulgou nota pública sobre a crise no complexo penitenciário de Pedrinhas (MA) em que critica “a tentativa de transferência de responsabilidade que o Governo daquele Estado procura realizar neste momento de crise, alertando a sociedade brasileira para a difícil situação em que se encontra o sistema penitenciário nacional”. A nota é assinada pelo presidente em exercício, Nelson Missias de Morais.

Eis a íntegra da manifestação:

 

NOTA PÚBLICA

A Associação dos Magistrados Brasileiros – AMB, entidade que congrega 14 mil magistrados estaduais, trabalhistas e federais, em face dos lamentáveis episódios ocorridos no sistema penitenciário do Estado do Maranhão e que tem chocado todo o País pelo grau de barbárie retratado pelas imagens divulgadas nos meios de comunicação, vem a público manifestar a sua indignação com tais fatos, registrando que:

1. A principal razão pela instalação do caos no sistema penitenciário maranhense, com reflexos na violência urbana, só pode ser atribuída a ausência histórica de investimentos e políticas públicas nessa área, o que gerou um déficit superior a duas mil e quinhentas vagas no estado.

2 O Banco Nacional de Mandados de Prisão, mantido pelo Conselho Nacional de Justiça, informa que existem 5.539 mandados expedidos pela justiça maranhense aguardando cumprimento, o que demonstra, além da ineficiência do aparato de segurança estadual, que o déficit de vagas seria muito maior, caso tais mandados fossem cumpridos.

3. O Maranhão é o estado de menor taxa de encarceramento do País, o que confirma que o caos penitenciário não decorre do excesso de presos – definitivos ou provisórios – mas da ausência crônica de vagas, agravada pelo reduzido número de unidades prisionais no interior do estado.

4. A AMB se solidariza com a Associação dos Magistrados do Maranhão – AMMA e com a Presidência do seu Tribunal de Justiça – TJMA, contra a tentativa de transferência de responsabilidade que o Governo daquele Estado procura realizar neste momento de crise, alertando a sociedade brasileira para a difícil situação em que se encontra o sistema penitenciário nacional, fragilizado pela insuficiência de vagas e precariedade da estrutura dos estabelecimentos prisionais, o que redunda no descumprimento reiterado das garantias fundamentais, princípios de direitos humanos e tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário.

5. Por fim, ratifica a posição da AMMA e do Tribunal de Justiça do Maranhão no sentido de que para solução do problema do sistema penitenciário daquele estado é indispensável a realização de investimentos que aumentem o número de unidades prisionais, em especial no interior, qualifiquem os profissionais que atuam no sistema e instituam uma politica consistente de ressocialização.

 
Brasília – DF, 09 de Janeiro de 2014.

 

NELSON MISSIAS DE MORAIS

Presidente em exercício da AMB

Blogs da Folha

Categorias

Sites relacionados

Publicidade
Publicidade
Publicidade