Da transmissão ao vivo à câmera lenta

Por Frederico Vasconcelos

Quando anunciou que seriam suspensas as transmissões ao vivo das sessões do Órgão Especial, o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador José Renato Nalini, afirmou que as consultas às gravações deveriam ser feitas posteriormente, “preferencialmente de casa”, para que esse horário [das sessões] “seja de trabalho do tribunal”.

Pelo menos até a noite desta quinta-feira (23/1), a gravação da sessão realizada na véspera não estava disponível no site do tribunal.

O fato levou o juiz estadual José Tadeu Picolo Zanoni, da 1ª Vara da Fazenda Pública de Osasco, a perguntar, em seu blog:

Cadê o VT da sessão do órgão especial de ontem?”