Entidades de juízes firmam acordo

Por Frederico Vasconcelos

 

Schmidt, João Ricardo e Nino Toldo

Parceria anterior resistiu ao CNJ e tentou desestabilizar a então corregedora nacional, ministra Eliana Calmon.

 

A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), a Associação de Juízes Federais (Ajufe) e a Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) firmaram Acordo de Cooperação Técnica para parceria em atividades de interesse comum.

O termo foi assinado pelos presidentes da AMB, João Ricardo Costa, da Ajufe, Nino Toldo, e da Anamatra, Paulo Schmidt.

As entidades pretendem ampliar o diálogo com o Congresso Nacional. O acordo criará comissões conjuntas especialmente em três áreas: previdência, prerrogativas da magistratura e atividades na esfera legislativa.

Parceria anterior, quando as associações estavam sob a direção de Nelson Calandra (AMB), Gabriel Wedy (Ajufe) e Renato Sant’Anna (Anamatra), foi marcada por divergências com o Conselho Nacional de Justiça. As três entidades tentaram desestabilizar a então corregedora nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon, contra quem ofereceram representação criminal, rejeitada pelo Procurador-Geral da República à época, Roberto Gurgel.

“Vamos aprimorar as lutas em prol das prerrogativas da magistratura”, afirma João Ricardo, em nota publicada no site da AMB.

“Se a magistratura é una, precisamos dar o exemplo. Esse termo é tudo isso”, diz Nino Toldo. “Fica mais prático fazer um discurso uniforme de todo o Poder Judiciário”, afirma Paulo Schmidt.