A Copa e a contratação de ex-detentos

Por Frederico Vasconcelos

Construtora OAS recebe menção do Conselho Nacional de Justiça por empregar egressos do sistema prisional.

 

O ministro Joaquim Barbosa, presidente do Conselho Nacional de Justiça, assinou portaria outorgando o “Selo Começar de Novo” à Construtora OAS, pela contratação de ex-detentos em obras de infraestrutura.

Segundo informa o CNJ, em época de alta no setor da construção civil, egressos do sistema prisional têm contribuído para ampliar aeroportos e a malha rodoviária e a erguer estádios da Copa do Mundo Fifa 2014.

O reconhecimento é conferido pelo CNJ a instituições públicas e privadas que se destacam em ações de reinserção social.

Em 2013, a OAS contratou 216 egressos para trabalhar em cinco de seus empreendimentos: estádios Arena das Dunas (RN) e Arena Fonte Nova (BA), rodovia BA-093, Rodoanel (SP) e Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos/SP.

De acordo com a gerente de Responsabilidade Social da OAS, Fernanda Oliveira, grande parte dos egressos não tinha experiência na construção civil e foi alocada como servente.

“Alguns, depois de alguns meses de trabalho, foram promovidos a cargos mais especializados”, afirmou.

Segundo Fernanda Oliveira, houve receio, em um primeiro momento, por parte dos gestores das obras. “Mas, depois, eles se tornaram grandes incentivadores do programa e avaliaram o processo muito positivamente”, disse.

A empresa reconhece que o Mundial de Futebol aqueceu o mercado da construção civil e, consequentemente, o recrutamento de pessoas. “Nosso objetivo é manter as contratações mesmo após a realização da Copa”, afirmou.

A OAS já recrutava egressos do sistema prisional, mas foi a partir de 2013 que a prática tornou-se sistematizada.

Desde 2012, 65 empresas de 15 estados obtiveram o “Selo Começar de Novo”. A maior parte das companhias é do ramo industrial, na Bahia e no Paraná.