IDDD: Barbosa despreza direito de defesa

Por Frederico Vasconcelos

IDDD

IAB também condena em nota oficial “comportamento atrabiliário” do presidente do Supremo.

O Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD) divulgou nota pública em que lamenta a atitude do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, que determinou a retirada do plenário, por seguranças do STF, do advogado Luiz Fernando Pacheco, defensor do ex-presidente do PT José Genoino.

Segundo o presidente da entidade, Augusto de Arruda Botelho, “a postura arbitrária e autoritária” do presidente do STF revela o desrespeito à figura do advogado.

Eis a íntegra da manifestação do IDDD:

NOTA PÚBLICA

O Instituto de Defesa do Direito de Defesa – IDDD tem como lamentável a postura do Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Joaquim Barbosa, que calou a palavra de advogado que postulava legitimamente questão das mais caras ao Estado Democrático de Direito: a prioridade na apreciação pelo Colegiado da Corte de pedido de comprovada urgência.

A postura arbitrária e autoritária revela o desprezo do Ministro pelo sagrado exercício do direto de defesa e o desrespeito à figura do advogado.

Augusto de Arruda Botelho
Diretor Presidente
Instituto de Defesa do Direito de Defesa

O Instituto dos Advogados Brasileiros divulgou nota assinada pelo presidente da entidade, Técio Lins e Silva, em que repudia “o comportamento atrabiliário” do ministro Joaquim Barbosa.

Eis a íntegra da manifestação do IAB:

NOTA DE REPÚDIO

O Instituto dos Advogados Brasileiros, por aclamação, na sessão plenária realizada nesta data, adere integralmente à manifestação do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e, igualmente, repudia o comportamento atrabiliário do Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Joaquim Barbosa, pela forma desrespeitosa com que cassou a palavra de um advogado no pleno exercício de sua atividade profissional, retirando-o à força do Plenário da Suprema Corte.

Este lamentável episódio, sem precedentes nem mesmo nos períodos mais obscuros da história de nosso País, macula a magistratura nacional e merece a devida reparação à advocacia e a toda sociedade brasileira.

Rio de Janeiro, 11 de junho de 2014.

Técio Lins e Silva
Presidente do Instituto dos Advogados Brasileiros