O estrategista e o padrinho

Por Frederico Vasconcelos

Arnaldo Malheiros e Thomaz BastosEm artigo publicado no site “Consultor Jurídico“, sob o título “Márcio, ou a alegria da amizade prazerosa e desinteressada“, em homenagem ao amigo Márcio Thomaz Bastos, o advogado Arnaldo Malheiros Filho revela duas características do criminalista: o estrategista e o advogado dedicado aos clientes.

 

Sobre o estrategista:

Numa época quando muitos tribunos do júri eram ainda tonitroantes, Márcio falava de um jeito intimista, como que conversando com os jurados e não discursando para eles, desenvolvendo uma argumentação quase irresistível. E, sobretudo, um raciocínio estratégico invulgar. Ele elaborava uma defesa prévia pensando em como se beneficiar num recurso ao STF, anos depois.

 

Sobre o advogado que “vestia a camisa do cliente”:

Só para dar um exemplo recente, num momento em que seu cliente Roger Abdelmassih era execrado por todos, Márcio foi seu padrinho de casamento, o que nada tem a ver com a atividade profissional, mas tudo a ver com o acolhimento.