Delação e ética entre delinquentes

Por Frederico Vasconcelos

Trechos de editorial da Folha, neste domingo (4), sob o título “Delação aprovada“:

 

Sem a delação premiada, os acordos de silêncio, que dificultam o avanço dos inquéritos, constituem a melhor estratégia para os investigados.

Quando, no entanto, ao menos um envolvido decide trocar informações por benefícios jurídicos, os outros passam a ter mais a perder com a escolha de não colaborar.

(…)

Sobretudo entre os advogados, não faltam críticas ao instituto.(…) São, contudo, as objeções morais que se fazem mais rumorosas. A noção de lealdade ao grupo parece tão entranhada nos seres humanos que não passa sem certa repulsa o incentivo à traição –mesmo que ela ocorra entre bandidos e proporcione benefício público.

(…)

Abusos, em qualquer circunstância, precisam ser combatidos, e as balizas legais jamais podem ser afastadas num Estado de Direito.

(…)

Os que se beneficiaram da corrupção sabem o quanto violaram a confiança da sociedade; não deveriam pedir ao poder público que se preocupe com a promoção da ética entre delinquentes.