Dilma e a batalha da desinformação

Por Frederico Vasconcelos

Batalha da desinformação

Na abertura da primeira reunião ministerial, na semana passada, a presidente Dilma Rousseff recomendou aos ministros: “Reajam aos boatos. Travem a batalha da comunicação. Sejam claros, sejam precisos, se façam entender”.

“Tudo o que Dilma nunca faz”, comenta a jornalista Ruth de Aquino, em sua coluna na revista “Época“.

Na semana anterior, o ministro aposentado Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal, sugeriu nas redes sociais a mesma coisa –em outras palavras e sem mencionar a presidente– em três comentários no Twitter:

 

Brasil: uma vez eleito, o Presidente raramente se julga no dever de explicar à Nação a situação do país, salvo quando tem a ganhar.

(…)

Mesmo em situações de crise ética, moral e de gestão, nossos presidentes não veem necessidade de prestar contas à Nação.

(…)

Notem: já viram aquele púlpito nos jardins da Casa Branca? É ali que o Presidente dos EUA quase diariamente presta contas à Nação.