A imprevisível reação popular

Por Frederico Vasconcelos

Em artigo publicado no site “Consultor Jurídico”, o desembargador aposentado do TRF-4 Vladimir Passos de Freitas faz algumas previsões sobre desdobramentos que podem ocorrer no “petrolão” com o desgaste político dos envolvidos:

“Não será surpresa se algum deles for vaiado no avião ou ofendido em um restaurante. Assim, custa crer que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, estreará seu projeto ‘Câmara Itinerante’ em Curitiba, dia 20 próximo. A reação popular é imprevisível, talvez os parlamentares tenham que voltar apressadamente para a segurança de seus gabinetes em Brasília.”

Freitas comenta a possível contratação de ex-ministros das Cortes Superiores para auxiliar na defesa dos acusados –e os prováveis motivos dessa escolha:

“Outras delações premiadas poderão surgir, na medida em que empresários perceberem que a prisão dificilmente alcançará os políticos. Aumentarão as tentativas de desestabilizar os que dão seguimento às investigações ou às ações penais. E também de contratar ministros do STF ou STJ aposentados para auxiliar na defesa, confiando nas informações que possuem mais do que na capacidade que ostentem como advogados.” [grifo nosso]