Leniência e receio das empresas

Por Frederico Vasconcelos

O titular da Controladoria-Geral da União, ministro Valdir Simão, afirma que as empresas da Lava Jato que firmarem acordos de leniência com a CGU terão de ressarcir a Petrobras no valor em que a estatal lançar em seu balanço.

“A empresa tem que fazer a reparação integral do dano, não é só daquilo que eu tenho prova documental”, afirmou Simão ao repórter Raymundo Costa, do jornal “Valor Econômico”.

A CGU já abriu processos contra oito empreiteiras. “Até agora, apenas uma das oito manifestou interesse em negociar um acordo, mas não passou disso”, informa Costa.

Simão admite que é natural o receio das empresas. Como os fatos são conexos, a admissão de culpa pelo pagamento de propina pode prejudicar a defesa dos executivos no processo penal, revela o repórter.