Corrupção e fogos de artifício

Por Frederico Vasconcelos

Sob o título “Ainda a corrupção: Entre a reforma da legislação e a aplicação do que já temos“, o artigo a seguir é de autoria de Alexandre Jorge Carneiro da Cunha Filho, Juiz de Direito em São Paulo e conselheiro da Anamages (Associação Nacional dos Magistrados Estaduais). O texto foi publicado originalmente no site da entidade. (*)

 

Alexandres Jorge Carneiro da CunhaMais um grande escândalo de corrupção em nosso país, mais uma vez indignação nas ruas, nova reação extemporânea e impertinente dos Poderes constituídos.

Nos balões de ensaio das novas-velhas propostas dirigidas a salvar a pátria desse mal, temos mais do mesmo: elevação do rigor de leis, diplomas confusos e pautas genéricas de prioridade no julgamento de tais ações.

Fogos de artifício, enfim.

Antes de se pensar em transformar a corrupção em crime hediondo, as instituições deveriam refletir como efetivamente se aplicar o direito vigente para combater tais delitos.

O papel do direito estatal sancionador, seja na esfera administrativa, seja na penal, é o de dissuadir a prática de condutas ilícitas.

Enquanto não se conseguir imprimir às ações que envolvem crimes de corrupção e improbidade administrativa ritmo adequado, com instrução célere e eficiente, além de sentença definitiva em horizonte próximo, nosso sistema jurídico continuará a não se prestar aos fins a que se propõe.

Alguma das novidades aventadas vai nesse sentido?

Não.

Para ficarmos em apenas uma omissão escandalosa, vale mais uma vez repisar a inviabilidade de se produzir provas técnicas nas ações de improbidade administrativa pelo singelo fato de o art. 18 da Lei 7.347/85 [1] isentar o propositor da demanda do adiantamento de custas.

A lei fala que o autor da ação não precisa adiantar custas. Logo, como se produz a prova?

Não se produz.

Eis o retrato de nosso país. Uma lei que trata da proteção dos bens mais caros à nossa sociedade (como o patrimônio público) tem sua aplicação comprometida por uma omissão em seu texto, contra a qual não se vê muito ânimo de superação.

Em decisões judiciais vem-se impondo ao Estado o custeio dessas provas. Nada mais lógico.

O Estado é responsável pelo funcionamento da Justiça. Se determinada prova precisa ser produzida para permitir a prestação de jurisdição, para a aplicação da lei no caso concreto, o Estado deve prover meios para que tanto aconteça.

De qualquer modo, como a lei não é unívoca a respeito, toda a vez que se deve designar peritos para esclarecimento de matéria técnica, instaura-se nos processos respectivos discussão que geralmente é levada até os Tribunais superiores, cuja resposta quanto ao incidente, como é sabido, não raramente demora alguns anos.

Solução para o impasse?

Os atores desse teatro trágico parecem não estar preocupados com o tema.

Até quando?

A Lei n. 7.347/85 está para completar 30 anos. Será que nossa sociedade não merece que ela, enfim, possa ser plenamente aplicada? Que façamos algo sério dessa vez. No lugar de ilusões, o brasileiro, que com seus impostos custeia todo aparato estatal, merece algo melhor do que discursos vazios.

———————————–
(1) Art. 18. Nas ações de que trata esta lei, não haverá adiantamento de custas, emolumentos, honorários periciais e quaisquer outras despesas, nem condenação da associação autora, salvo comprovada má-fé, em honorários de advogado, custas e despesas processuais

(*) O autor é Mestre e Doutorando em Direito do Estado