“Mensalões” e inércia do Judiciário

Por Frederico Vasconcelos

Eduardo Azeredo renuncia

Um ano depois de o Supremo Tribunal Federal determinar que o processo do mensalão tucano contra o ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB) deveria ser julgado na primeira instância da Justiça em Minas Gerais, nada foi feito para concluir o caso, que se arrasta há quase uma década, informa o repórter Paulo Peixoto, da Folha, nesta sexta-feira (27).

A 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte, onde tramita a ação, está sem juiz, porque a titular se aposentou.

O processo chegou a Minas pronto para ser julgado. Mas não foi julgado.

O mensalão tucano veio à tona na mesma época –e com alguns personagens comuns– dos fatos que motivaram o mensalão petista.

O homem do povo deve imaginar que, assim como as leis, há processos que pegam e processos que não pegam.