“Dom”

Por Frederico Vasconcelos

Sob o título “Sem medo nem rancor“, o artigo a seguir –de autoria do editor deste Blog– foi publicado em 3 de setembro de 1999 na Folha:

 

Dom Helder no PasquimFinal dos anos 60, em Recife, a tropa de choque, fortemente armada, impedia a passagem do enterro. No caixão, o corpo do padre Henrique, um assessor de dom Hélder Câmara que se dedicava a recuperar jovens viciados em drogas.

Na véspera, o padre fora encontrado no meio de um matagal, mãos e pés amarrados e com marcas de incrível violência em todo o corpo.

Ombro a ombro, os policiais militares fechavam a rua e não permitiam a passagem do féretro e das muitas faixas de protesto contra a ditadura.

Sem hesitar, o frágil dom Hélder toma a frente do cortejo, avança com passos firmes, seguido pelos sacerdotes que erguiam o caixão do companheiro assassinado.

O bloqueio é rompido. O comandante recolhe a tropa, que volta a surgir, alguns quarteirões adiante, agora todos perfilados, com os capacetes na mão, cabeças abaixadas, como num silencioso e incomum pedido de perdão.

A coragem pessoal de dom Hélder era um exemplo de resistência naqueles tempos de terror e trevas. Sem as pompas do cargo, o arcebispo morava sozinho numa casinha de pequenos cômodos, cujo muro havia sido metralhado, de madrugada, mais de uma vez.

“Vocês conseguem ver aqueles dois homens, ali em frente, atrás das plantas?”, perguntou uma noite, sorrindo, ao se despedir depois de uma entrevista. “Eles estão escondidos, mas dizem que é para me proteger”, ironizava.

“Às vezes, eu imagino colocar uma máscara, apenas para pregar um susto neles”, comentou, brincando. Dom Hélder não tinha medos nem rancores.

O encontro fora coordenado pela corajosa jornalista, depois deputada, Cristina Tavares (que morreu em 1992). Cristina, como outros amigos, chamava-o apenas de “Dom”.

Da entrevista também participaram o jornalista Jeová Franklin e este repórter.

Publicada em “O Pasquim”, capa de edição em março de 1970, ela teve o mérito de romper a longa censura imposta pelo regime militar a dom Hélder.

Como disse Janio de Freitas, realmente foi uma graça do destino tê-lo conhecido.