Investigado continua candidato ao CNJ

Por Frederico Vasconcelos

STJ escolhe nomes para o CNJ e CNMP. Desembargador federal Luiz Stefanini, do TRF-3, permanece na disputa.

O Pleno do Superior Tribunal de Justiça (STJ) se reunirá nesta quarta-feira (6), às 18h, para eleger os nomes que serão indicados a duas vagas de membro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) reservadas a juiz federal e a juiz de Tribunal Regional Federal e a uma vaga de membro do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) reservada a juiz.

A escolha do Pleno se dará por votação secreta.

No final de março, o STJ havia suspendido o processo de escolha para reexaminar a lista dos candidatos.

Entre os magistrados que disputam uma vaga no CNJ, permanece como candidato o desembargador Luiz de Lima Stefanini, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (SP/MS).

Ele é alvo de investigação preliminar no órgão de controle externo do Judiciário.

A corregedora nacional de Justiça, ministra Nancy Andrighi, requereu cópia de processo disciplinar instaurado contra os desembargadores Nery da Costa Júnior e Gilberto Jordan, do TRF-3, “para apuração do envolvimento do Desembargador Luiz Stefanini no direcionamento de uma força-tarefa com a finalidade de favorecer o Grupo Torlim”, que atua no ramo de frigoríficos em Ponta Porã (MS).

A relatora do processo, conselheira Deborah Ciocci, registrou em seu voto que Stefanini “criou fato grave inexistente, de modo a incitar ordem de intervenção na 1ª Vara Federal de Ponta Porã/MS, emanada pela Presidência do Tribunal Regional Federal da 3ª Região”.

A assessoria de imprensa do TRF-3 informou ao Blog que o desembargador Stefanini “prefere não se manifestar sobre o assunto”.