Diretor da Odebrecht liga Sérgio Cabral a obra suspeita no Rio

Por Frederico Vasconcelos

Reportagem de Rubens Valente e Graciliano Rocha, da Folha, revela nesta segunda-feira (22) que e-mail interceptado pela Polícia Federal indica a participação do ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) para incluir a Odebrecht em consórcio que levou um contrato bilionário no Comperj (Complexo Petroquímico do Rio).

A citação ao peemedebista em relação a obra em que há indícios de propina, segundo a reportagem, foi feita pelo diretor da Odebrecht Rogério Araújo, preso na última sexta (19) no curso da Operação Lava Jato.

No último dia 3, o ministro Luís Felipe Salomão, do Superior Tribunal de Justiça, autorizou a quebra do sigilo telefônico do governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), do seu antecessor, Sérgio Cabral (PMDB), e do ex-secretário estadual da Casa Civil Regis Fichtner.

Citados em depoimentos do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, um dos principais delatores da Operação Lava Jato, os três são investigados sob suspeita de terem sido beneficiados pelo esquema de corrupção descoberto na Petrobras.

“O ex-governador Sérgio Cabral jamais interferiu em quaisquer obras da Petrobras, inclusive as do Comperj”, informou a assessoria do peemedebista, segundo revelam os repórteres da Folha.