Democratização (ainda lenta) no TRT

Por Frederico Vasconcelos

Democratização TRT2O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP) decidiu, em sessão nesta segunda-feira (14), alterar o seu regimento de forma a ampliar o rol de desembargadores elegíveis para os cargos de direção do Tribunal.

Pela alteração, proposta pelos desembargadores Manoel Antonio Ariano e Rafael Edson Pugliesi Ribeiro, poderão participar das eleições todos os desembargadores com mais de cinco anos na composição do órgão e não apenas os quatro mais antigos, como previa o regimento anteriormente.

O TRT-2 é o primeiro tribunal regional do trabalho a realizar tal ampliação. A proposta foi aprovada por maioria absoluta de votos.

Para a juíza Patrícia Ramos, presidente da Amatra 2, a mudança confere mais democracia ao pleito, tendo em vista que o TRT-2 é composto por 91 desembargadores, dos quais mais de 70 poderão participar das eleições.

“Trata-se de um primeiro passo. Continuaremos engajados agora na defesa das eleições diretas para os cargos diretivos, o que visa a garantir o direito de voto a todos os magistrados de 1º e 2º graus”, afirma.