Não há almoço grátis nas asas da FAB

Por Frederico Vasconcelos

Avião da FAB

O Supremo Tribunal Federal firmou contrato com a empresa Meal Company Alimentação S/A para prestação de serviços de comissária aérea às aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) no Aeroporto Internacional de Brasília.

O contrato tem validade de um ano e prevê o fornecimento de refeições durante as viagens do presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, em aviões da FAB, sob demanda.

Segundo informa a assessoria do STF, só há cobrança quando a empresa é acionada, por meio de ordem de serviço. A Meal é a única autorizada pela Inframérica (concessionária do Aeroporto de Brasília) a prestar o serviço.

A presidente Dilma Rousseff assinou decreto, em abril, suspendendo o uso de aeronaves da Aeronáutica em deslocamentos de ministros de Estado para o local de domicílio. A medida foi tomada depois da revelação pela imprensa do uso abusivo de aeronaves da FAB.

O decreto, contudo, preservou a prestação desses serviços ao vice-presidente da República, Michel Temer, ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB) e ao presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski.

Dias atrás, o transporte de autoridades  em aviões da FAB foi tema do site “Migalhas“, que circula entre advogados. A origem dos comentários de leitores foi uma nota do editor daquele espaço, relatando haver reconhecido um influente empresário em voo comercial no trecho São Paulo-Brasília.

Segundo esse registro, Jorge Gerdau Johannpeter “pegou as pesadas malas e seguiu puxando rumo à fila do táxi”.