Andrighi pede afastamento do presidente do TJ de Alagoas

Por Frederico Vasconcelos

A corregedora nacional de Justiça, ministra Nancy Andrighi, propôs nesta terça-feira (27), durante a Sessão Ordinária do Conselho Nacional de Justiça, a abertura de Processo Administrativo Disciplinar e o afastamento, até o final das apurações, do desembargador Washington Luiz Damasceno Freitas, atual presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas.

O magistrado é suspeito de envolvimento num suposto cartel da merenda escolar nos estados de Alagoas, do Rio Grande do Sul e de São Paulo.

Segundo relata em seu blog o jornalista Ricardo Mota, de Alagoas, o caso teve início em 2007 e envolve uma empresa de alimentos que tinha contrato milionário com a prefeitura de Maceió.

A investigação teve início em São Paulo. A partir de uma delação premiada, o MP paulista teria chegado a uma ramificação em Alagoas, apontando o suposto envolvimento do desembargador e de um servidor do tribunal.

Por telefone, o magistrado afirmou ao jornalista alagoano: “Eu coloco todos os meus sigilos, bancário e fiscal, à disposição de quem quiser, para que se prove qualquer movimentação financeira da minha parte relacionada com o caso”.

A defesa do presidente do TJ-AL está a cargo do advogado Nabor Bulhões.

A Corregedoria do CNJ vinha apurando a conduta de Damasceno Freitas por meio de Sindicância desde 2013.

Logo após a ministra Nancy Andrighi anunciar sua decisão, o julgamento foi suspenso, devendo ser retomado na próxima sessão do CNJ, marcada para o dia 10 de novembro.