Interesses privados na carta pública de advogados

Por Frederico Vasconcelos

A seguir, trechos do editorial sob o título “Manifesto irrefletido“, publicado neste domingo (17) no jornal “O Estado de S. Paulo“:

***
“O manifesto não é uma expressão de legítimo interesse público, como tenta se apresentar. Nada mais é do que a defesa de interessas privados. O documento faz parte da atividade profissional de renomados advogados. Afinal, vieram a público defender os interesses de seus clientes, muitos dos quais frequentaram e frequentam o noticiário policial. Esses clientes, em resumo, protagonizam as operações conduzidas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público.”

(…)

“A Operação Lava Jato está plenamente inserida nos caminhos institucionais. Se ela não estivesse dentro da mais plena legalidade, certamente muitos dos subscritores do manifesto, de notória capacidade profissional, já teriam obtido a nulidade dos processos. O que os preocupa é a consistência dos passos pela Polícia Federal, pelo Ministério Público e pelo Poder Judiciário”.

(…)

“Se houve violações e abusos de direitos nas decisões judiciais, a legislação brasileira prevê generosamente amplos caminhos recursais para sua revisão. Nesse sentido, não há que se falar de supressão de garantias e direitos. Há de se reconhecer que poucos réus na história da Justiça brasileira tiveram a possibilidade de ser tão bem assistidos juridicamente quanto os atuais réus e investigados na Operação Lava Jato. Puderam contratar os melhores e mais caros advogados do País.”

***

Segundo o editorial, o documento “resvala para a molecagem quando imprime como subscritores nomes de advogados que não assinaram o manifesto”.