Flávio Dino: Juiz não deve liderar “clamor das ruas”

Por Frederico Vasconcelos

Em nota enviada ao Blog nesta quarta-feira (23), o Governo do Maranhão informa que o governador Flávio Dino “sempre foi e continua a ser um defensor da independência judicial”. Ele entende que não compete a juízes o papel de liderar o “clamor das ruas”.

Ao comentar “Carta Aberta” dos juízes federais José Eduardo Leonel Ferreira e Alexandre Cassetari, publicada neste espaço com críticas a manifestações do governador, Dino afirma, por intermédio da Secretaria da Comunicação Social e Assuntos Políticos, que a alusão ao fascismo –em seu pronunciamento– se referiu a “grupos inorgânicos, adeptos da violência, em busca de líderes”.

“Obviamente não é o caso dos juízes”, esclarece a Secretaria.

A resposta do governador do Maranhão atende a sugestão feita pelo Blog, que colocou o espaço à disposição para eventuais contestações.

Eis a íntegra da nota:

***
GOVERNO DO MARANHÃO

NOTA

A Secretaria de Estado da Comunicação Social e Assuntos Políticos (Secap) ressalta que o governador Flávio Dino sempre foi e continua a ser um defensor da independência judicial. Contudo, esta não se refere somente aos demais Poderes do Estado, mas também a interesses privados ou mesmo ao ‘clamor das ruas’. Foi nesse sentido que o governador se pronunciou, realçando expressamente a relevância do Poder Judiciário.

A alusão ao fascismo, como fenômeno social, foi bem clara, em sentido diverso da carta dos magistrados. O governador Flávio Dino se referiu a “grupos inorgânicos, adeptos da violência, em busca de líderes”. Obviamente não é o caso dos juízes.

O governador acredita firmemente que o papel de liderar o “clamor das ruas” não compete a juízes, exatamente para preservar a independência judicial. Quanto ao juiz Sergio Moro, o governador Flávio Dino reitera o seu respeito – já tantas vezes manifestado publicamente -, mas confirmando críticas a erros, que podem emanar de qualquer autoridade pública, uma vez que infelizmente não são infalíveis.