TJ-SP cria projeto de comunicação regional

Por Frederico Vasconcelos

Paulo Dimas miniO presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Paulo Dimas Mascaretti, participou de reunião virtual nesta terça-feira (29) para apresentação do projeto “Comunicadores nas Regiões Administrativas Judiciárias” aos juízes diretores das dez regiões do Estado.

O tribunal vai selecionar juízes e servidores para atuarem como “Comunicadores” nas regiões administrativas. A proposta desse novo novo modelo de comunicação é envolver o público interno do tribunal e obter espaço na mídia, com a “divulgação de boas práticas e decisões”.

“O que se quer com esse projeto é melhorar a comunicação do Poder Judiciário com a imprensa e, consequentemente, tornar o trabalho da Justiça estadual mais conhecido pela população. Afinal, é nela que as pessoas buscam a solução da maioria de seus conflitos e interesses”, diz a jornalista Rosangela Sanches, diretora de Comunicação Social do TJ-SP.

Além do fortalecimento da imagem da Justiça, o tribunal pretende obter uma interação entre as comarcas, através da Diretoria de Comunicação Social.

O juiz diretor de cada RAJ indicará dois servidores que atuarão como um braço da área de Comunicação Social. O TJ publicará no “Diário de Justiça Eletrônico” a lista dos servidores que passam a integrar o projeto “Comunicadores nas RAJs”.

Na prática, espera-se que esses servidores colham informações institucionais e enviem à Diretoria de Comunicação do TJ-SP. Segundo a assessoria de imprensa do TJ-SP, “não se pretende sobrecarregar os comunicadores, a ideia é que possa ser uma atividade prazeroza”.

“O comunicador sempre repassará a informação à Diretoria de Comunicação, nunca diretamente ao jornalista”, é uma das orientações do programa.

Os servidores/comunicadores de cada região deverão ser “pessoas articuladas, proativas”, capazes de estabelecer um bom relacionamento com a imprensa da região.

Eis algumas sugestões do tribunal aos juízes e servidores que cuidarão dessa comunicação:

1) Procure atender a imprensa sempre que possível;

2) Oriente os demais magistrados a encaminharem informações e notícias à Assessoria de Imprensa com frequência;

3) Seja acessível: o sucesso na relação do magistrado com a imprensa é resultado da convivência permanente e saudável, que inclui presteza e transparência;

4) Sugira pautas para os jornalistas da região, mas saiba: fazer a coisa certa não é notícia; fazer a coisa certa superando a expectativa é notícia.