Larry Rohter: “Lula não é mais ‘o cara'”

Por Frederico Vasconcelos

De Larry Rohter, ex-correspondente no Brasil do jornal “The New York Times“, em entrevista a Monica Gugliano, para o caderno “Eu & Fim de Semana” do jornal “Valor“:

A imagem do Brasil está manchada, e a imagem de Lula e do PT está manchada para sempre. Ninguém pensa mais em Lula como o presidente que foi chamado por Barack Obama de ‘o cara’, o grande líder. Lula está queimado. Não passa de mais um demagogo corrupto, tal qual outros como Hugo Chavez.”

Ele diz achar que “a crise é um fenômeno passageiro. São coisas terríveis que estão acontecendo, mas tento estabelecer o lado positivo. Esse lado está no Ministério Público, no procurador-geral, Rodrigo Janot, no Supremo Tribunal Federal”.

Em maio de 2005, uma matéria de Rohter teve grande repercussão. O então correspondente foi ameaçado de expulsão por descrever –como lembra Gugliano– “supostos excessos alcoólicos do então presidente”.

Meus amigos e parentes me perguntam se me sinto de alma lavada. Sinto muita pena que tenham quebrado a Petrobras e, por causa do roubo, tenham sido demitidas milhares de pessoas e empresas. Lula e o PT não quiseram me expulsar por causa da matéria da bebida. Eles queriam isso desde que fiz outra reportagem mostrando o esquema de corrupção do PT, em São Paulo, para arrecadar dinheiro na campanha presidencial de 2002. A cúpula do PT achava que eu iria fazer novas matérias e, por isso, queriam acabar comigo.”

O jornal informa que, procurado pela reportagem, o Instituto Lula não quis comentar as declarações de Rohter.