Advocacia aprova o novo ritmo do CNJ

Por Frederico Vasconcelos

Por determinação da ministra Cármen Lúcia, a secretaria-geral do Conselho Nacional de Justiça publicou nesta quarta-feira (28) a pauta com assuntos e processos que serão apreciados na sessão plenária da próxima terça-feira (4).

Ou seja, foi cumprida em menos de 24 horas a promessa feita na primeira sessão, quando a presidente anunciou que as pautas de julgamento seriam tornadas públicas com antecedência, para facilitar a vida dos advogados e conselheiros que se deslocam para Brasília, e atender ao principal interessado, o jurisdicionado.

A pauta da próxima sessão é aberta com pedido de providências sob relatoria do conselheiro Norberto Campelo, que trata de processo eleitoral interno do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. O relator já está com o voto pronto. Como o assunto também tramita no STF, o julgamento no Conselho foi suspenso nesta terça-feira com vista regimental à presidente, que deverá definir na próxima sessão se é o caso de declarar o pedido prejudicado.

Ao que tudo indica, a nova dinâmica do CNJ agradou aos advogados.

Eis o que comenta o site “Migalhas“, frequentado pelos escritórios de advocacia:

Mandando ver

Só elogios. De fato, a primeira sessão da ministra Cármen Lúcia no comando do CNJ foi celebrada. Para começo de conversa, tão logo o relógio deu as nove badaladas, a ministra começou. Tendo previamente estudado os processos da pauta, foi de um dinamismo invejável. Conselheiro pedia vista, ela dava a vista e continuava o julgamento. Às 13h08 decidiu fazer uma pausa para o almoço. “Uma hora”, disse ela. Quem não levou a sério, dançou. Isso porque 14h08 lá estava a ministra de volta. E assim foi a tarde inteira. E isso, frise-se, com a ministra respeitando as sustentações orais e todos os esclarecimentos de fato que se fizeram. Enfim, a ministra, indubitavelmente, mostrou a que veio.