Ator e jornalista da Globo no conselho do CNJ

Por Frederico Vasconcelos

O ator Milton Gonçalves, o mais antigo da TV Globo, a jornalista Miriam Leitão, colunista de economia e apresentadora do canal GloboNews, e a escritora Rosiska Darcy de Oliveira, da Academia Brasileira de Letras, serão  três representantes da sociedade civil no novo conselho consultivo do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a ser formalizado em portaria da ministra Cármen Lúcia, presidente do órgão.

Sob orientação da diretora de projetos do Departamento de Pesquisas Judiciárias do CNJ, Maria Tereza Sadek, pesquisadora e professora da USP, o grupo vai auxiliar o Conselho nas pesquisas de aprimoramento do Poder Judiciário.

“É muito importante ouvir personalidades não ligadas ao Poder Judiciário”, diz Sadek.

O objetivo é recriar um conselho de consultores nos moldes do instituído na gestão do ministro Gilmar Mendes –grupo de colaboradores, sem remuneração, que foi esvaziado na gestão seguinte, quando o ministro Cezar Peluso presidiu o CNJ.

Também deverão fazer parte do novo conselho: Everardo Maciel, ex-secretário da Receita Federal  (que, junto com Sadek, atuou no conselho anterior); Betânia Tanure, professora da PUC-MG, ex-diretora da Fundação Dom Cabral, conselheira de grandes empresas e colunista do jornal “Valor Econômico“; Luciana Gross Cunha, professora da FGV Direito SP, onde desenvolve pesquisas sobre o sistema de justiça, e Marco Antonio Romanelli, procurador do Estado, ex-advogado geral do Estado de Minas Gerais e professor licenciado da PUC-MG.