Por que a Lava Jato apoia Alexandre de Moraes

Por Frederico Vasconcelos

Carlos Fernando e Alexandre de Moraes

O procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, da força-tarefa da Lava Jato, afirmou a Thiago Herdy, de “O Globo“, que considera uma boa escolha a indicação do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, para a vaga do ministro Teori Zavascki no Supremo Tribunal Federal.

“Tínhamos uma preocupação natural com a posição do novo ministro em relação a temas como a execução de sentença depois do segundo grau. Moraes tem posição que mantém a jurisprudência atual do Supremo. Por isso, nos sentimos tranquilos em relação à nomeação. É uma boa escolha, um constitucionalista de respeito”, disse o procurador.

O Blog apurou que avaliação semelhante é feita por membros do Ministério Público Federal próximos ao Procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Recentemente, partiu de Moraes decisão de ceder dois delegados da cúpula da Polícia Federal ao Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI), órgão do Ministério da Justiça.

O objetivo foi eliminar a trava que paralisou o acordo de cooperação com a Suíça para acelerar investigações de casos de corrupção na Operação Lava Jato.

O Ministério da Justiça autorizou a cessão dos delegados da Polícia Federal Luiz Roberto Ungaretti de Godoy e Tácio Muzzi Carvalho e Carneiro para os cargos, respectivamente, de diretor e diretor-adjunto do DRCI.

Luiz Roberto Ungaretti de Godoy foi diretor-executivo da Polícia Federal em São Paulo e participou de ações da Operação Lava Jato no Estado. Tácio Muzzi Carvalho e Carneiro foi Chefe da Delegacia de Combate a Crimes Financeiros e Desvios de Recursos Públicos.