Crime da Favela Naval volta a julgamento

Por Frederico Vasconcelos

 

Vinte anos depois, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) julgará um recurso no caso da Favela Naval, episódio citado em relatórios sobre Direitos Humanos como exemplo da violência policial no Brasil.

Em março de 1997, policiais militares foram filmados abordando e espancando várias pessoas em batidas policiais na Favela Naval, em Diadema (SP). Um dos policiais, Otávio Lourenço Gambra, conhecido como “Rambo”, foi condenado a 47 anos e três meses de prisão, denunciado pela morte de Mário Josino em uma blitz na favela.

A Segunda Turma do STJ julgará, na próxima quinta-feira (16), recurso apresentado por Demontier Carolino de Figueiredo, um dos policiais expulsos da corporação.

O relator é o ministro Herman Benjamin.

Demontier foi denunciado por agredir um morador de Diadema com golpes de cassetete. Em 1999, foi condenado a 1 ano e 6 meses de prisão por abuso de autoridade.

No recurso ao STJ, ele alega cerceamento de defesa e busca reintegração ao cargo e pagamento de verbas no período em que ficou afastado da Polícia Militar.