A quem interessa a restrição do foro privilegiado

Por Frederico Vasconcelos

De Claudio Weber Abramo, ex-diretor executivo da Transparência Brasil:

*

Não é o que parece. Diferentemente do que imaginam os cultores da “cidadania”, a possibilidade de se restringir o privilégio de foro a alguns poucos agentes e de deixar de fora senadores, deputados, ministros etc. conforme se discute no Supremo Tribunal Federal não resultará em melhoria na distribuição da justiça.

Não gozando de privilégio de foro, os fulanos poderão –para regozijo dos advogados– desencadear recursos intermináveis a todas as instâncias possíveis, terminando no STF.

Não é à toa que um defensor do fim do privilégio seja Paulo Maluf.