Roteiros dos presidenciáveis

O presidenciável Jair Bolsonaro foi a estrela de evento da elite do mercado financeiro nesta terça-feira (6) em São Paulo, informa o repórter Igor Gielow, da Folha.

“Pontuou o discurso com questões sobre segurança pública e valores. Ao acabar, foi aplaudido de pé e demorou cerca de meia hora para conseguir sair do salão, parando para selfies, no Hotel Hyatt”, informa Gielow.

Em 1989, o senador Fernando Collor de Mello (PTC-AL), que lança pré-candidatura com intenção de disputar novamente o Palácio do Planalto, ainda era praticamente desconhecido do empresariado paulista quando foi recebido pelo movimento Pensamento Nacional das Bases Empresariais (PNBE), no Centro de Convenções Anhembi.

O PNBE foi criado por um grupo de jovens líderes empresariais paulistas para manifestar os anseios das bases da iniciativa privada.

Com a proximidade das eleições presidenciais, o PNBE promoveu audiências públicas com os candidatos, entre os quais, aqueles que chegariam ao segundo turno: Luiz Inácio Lula da Silva e Collor de Mello.

Collor ganharia, depois, o apoio do grande capital, que temia a eleição de Lula.

Anos depois, o tesoureiro da campanha de Collor, PC Farias, admitiu ao repórter Xico Sá ter ficado assombrado com o volume de recursos recebido das empresas.