Leitura de livros poderá reduzir pena

Reportagem de Bárbara Mengardo, publicada no jornal “Valor Econômico” nesta segunda-feira (25/6), revela que os detentos dos quatro presídios federais no país poderão reduzir suas penas com a leitura de livros.

Uma portaria conjunta do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e da Justiça Federal, publicada na sexta-feira no Diário Oficial da União, estabelece a diminuição de quatro dias da condenação a cada obra lida. Caso o preso termine 12 livros ao longo de um ano, e comprove a leitura por meio de resenhas, deixará de passar 48 dias no presídio.

A participação no Projeto Remição pela Leitura é voluntária. O detento terá entre 21 e 30 dias para ler uma obra que poderá ser literária, científica ou filosófica.

A análise das resenhas e o acompanhamento dos participantes ficarão a cargo de uma comissão nomeada pelo diretor de cada penitenciária.

Comentários

  1. E se o preso/condenado for analfabeto? Já vai ficar em desvantagem em relação ao preso que sabe ler. Mas a ideia é boa. Só o analfabeto funcional não concorda, pois não consegue entender!

  2. Não é possível. A cada dia inventam algo para bandidos não cumprirem as suas penas, em total dissonância com o que espera a sociedade!
    Quem é que está no comando desse sistema absurdo? Mereceria ser convocado pelo Congresso para dar explicações à sociedade.

  3. Interessante… Vou começar a escrever alguns livros, aceitando sugestão para títulos… Mas já tenho algumas ( de cunho filosófico ): ” Ganhe dinheiro sem trabalhar “, ” Entre para a política e fique rico “, ” Como ludibriar a sociedade fingindo erudição “… PRISÕES AGRÍCOLAS SÃO MUITO BENVINDAS…O PRESO TRABALHA NA ENXADA, 12 HORAS, DORME 6 E SÓ SE ALIMENTARÁ COM O PRODUTO DE SEU TRABALHO… Chamo de ” laborterapia “… Tá com peninha ? LEVA O COITADINHO DO PRESO PRA SUA CASA…

  4. Enqto isso,quem tem a oportunidade de viajar para países de primeiro mundo,se confronta com presos trabalhando em obras e locais públicos ,sob escolta policial armada!

Comments are closed.