De Peluso, sobre Eliana: “Não agravei a crise”

Do presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça, ministro Cezar Peluso, em entrevista a Felipe Seligman, na Folha desta terça-feira (17/4), ao avaliar a crise que enfrentou com a corregedora nacional de Justiça, Eliana Calmon, com quem, segundo diz, nunca teve intimidade, e a quem, segundo afirma, sempre dedicou o máximo respeito:

Acho que, na medida em que aumenta a distância histórica, as coisas vão ficando mais claras, e vai permitindo que a gente tenha um julgamento mais sereno e isento. Tenho consciência de que não concorri em nada para agravar as consequências políticas da crise. Agora, há outros fatos fora do meu controle que acabaram por agravar a crise. Deformaram-se muitos fatos, sem nenhum resultado de caráter prático.

Comentários

  1. Fred o Ministro Peluso tem razão. Sua ação simplesmente apressou o desfecho que todos aguardavam ansiosamente. Graças a ele a cada dia a Transparência do Poder Judiciário cresce e se aperfeiçoa. Era só entender que o que a Corregedora Eliana Calmon fazia era cumprir as leis vigentes. A continuidade do seu trabalho vem aperfeiçoando o Judiciário.

  2. o brasil ainda se lembra de s. exa. batendo na mesa e exigindo dos conselheiros do CNJ uma nota publica de repudio as declaracoes proferidas pela ministra e corregedora nacional de justica eliana calmon.
    como s. exa., na qualidade de presidente do poder judiciario nacional e por conseguinte do importantissimo CNJ, usa sua forca coatora e depois vem dizer que tem profundo respeito pela corregedora nacional de justica?

  3. A crise teve como papel fundamental o promotor Demóstenes Torres, agora está claro seus objetivos, objetivos estes compartilhado por muitos jornalistas e outros tantos membros de poder e da advogacia: ‘CRIAR MECANISMOS DE INTIMIDAR A MAGISTRATURA”. Como o objetivo não foi alcançado em tempo, foi possível flagrar este impolutos defensores da moralidade defendendo bicheiro. Há muito mais sendo omitido, com participação importante de DETRATORES FAMOSOS da magistratura.

Comments are closed.