Delegado diz que PGR paralisou investigação envolvendo o grupo de Cachoeira e políticos

O delegado da Polícia Federal Raul Alexandre Marques Souza afirmou à CPI do Cachoeira que uma investigação indicando envolvimento de políticos com o grupo de Carlinhos Cachoeira ficou paralisada na Procuradoria-Geral da República.

Segundo informam os repórteres Andreza Matais e Rubens Valente, da Folha, “o delegado disse que, após a entrega dos documentos, ele se reuniu com a subprocuradora-geral da República, Claudia Sampaio, que lhe explicou, falando em nome do procurador-geral, Roberto Gurgel, que a Procuradoria não tinha encontrado elementos para processar o senador e os deputados. Claudia é mulher de Gurgel”.

Comentários

  1. Deixa ver se entendi bem: em 2009 o Supremo Tribunal era presidido por GILMAR, que mantinha até há pouco estreita e ostensiva ligação com DEM-ÓSTENES, a ponto de ter enteada sua contratada por este. Todos se lembram do apregoado “grampo” dito ilegal, nunca divulgado, em que teria sido captada pelos federais uma conversa dos dois, o que custou a cabeça de PAULO LACERDA, então diretor-geral da Polícia Federal. O que aconteceria com o inquérito inicial quando chegasse ao Supremo, mesmo com todos os cuidados para continuarem sigilosas as investigações? Ganha um doce quem… Assim, salvo melhor juízo, mais apropriada a alternativa adotada por GURGEL, de “dar corda para que a quadrilha se enforcasse” ela mesma. “Ação controlada” seria o nome técnico da coisa, com previsão legal, algo muito diferente de omissão.

  2. Eu sabia que esse mato tinha coelho, coelho dos grandes. Isso requer uma investigação profunda, por parte da CPI, queremos e exigimos, que a CPI faça uma devassa na procuradoria geral da reppública, já que fatos como esse tem ocorrido constantemente. O que a sociedade brasileira não poderá suportar e ficar passiva diante desse comportamento dessa subprocuradora. TÁ TUDO DOMINADO.

      1. Marggie Araújo,

        Não tou defendendo nenhuma espécie de bandido. Nem mensaleiros, nem bicheiros, mas sim, defendo a ética, a transparencia e a moralidade, no âmbito do Ministério Pùblico, coisa que tem passado distante da instituição nos últimos tempos. Para te falar a verdade defendo os mensaleiros, no xilindro, na cadeia, presos, encarcerados, se possível todo PT.

Comments are closed.