Mensalão: avaliação do ex-procurador geral

Antonio Fernando diz que há “provas contundentes”, corroboradas com perícias

O ex-procurador geral da República Antonio Fernando Barros e Silva de Souza, que ofereceu a denúncia na ação penal do mensalão, concedeu entrevista a Carolina Brígido, de “O Globo”, publicada nesta segunda-feira (30/7).

Segundo a repórter, ele diz que o esquema não era só pagamento de mesada: incluía uma rede para cometer vários crimes — peculato, corrupção ativa, corrupção passiva.

Eis trechos da entrevista:

(…)

O julgamento, a gente só sabe o resultado no dia. Não posso ter expectativa. O que posso dizer, diante do período em que ofereci a denúncia, é que tinha provas contundentes lá. Sobre muitas coisas, eram provas, não eram apenas indícios, que foram corroboradas depois com laudos periciais. A instrução provou muita coisa. Diante desse quadro, a minha expectativa é que haja elementos para condenar. Não tenho conhecimento de toda a prova que foi feita.

(…)

Não conheço o processo depois de 2009, mas há elementos fundados (para condenar). Pelo menos os principais [réus].

Comentários

  1. Caro Fred, o título desse post deveria ser: “Palpite do ex-procurador geral”. É direito das pessoas formularem opinião ou possuírem um palpite acerca de qualquer assunto, inclusive o ex em questão. Contudo, não é de boa índole pronunciar-se acerca de processo que não está mais sob a sua responsabilidade e condução. Bem deveria saber o ex que em questões que em causas de grande estrépito deve-se guardar especial isenção, principalmente quando, como no caso dele, se tenha funcionado no processo. Não me recordo agora se foi esse mesmo ex quem produziu a denúncia. Se ele mesmo, não causa estranheza que, agora, venha defender a peça acusatória?
    Felizmente Deus não dá asas a bichos peçonhentos. Imagine se o ex fosse um Magistrado? Deus me livre.

  2. Por óbvio, nenhum de nós, meros leitores, teve acesso aos autos do “processinho” do mensalão, que, aliás, está no cofre do STF… Mas, ainda que do ponto de vista estritamente jurídico se possa ponderar essa ou aquela linha argumentativa, do ponto de vista político o que se espera é que haja uma condenação por corrupção ativa… Caso contrário, mesmo sendo um arroubo da Ministra Calmon, o STF estará, sim, sob o julgamento da sociedade como um todo… Quem tem o dever de fazer omeletes, não pode se furtar a quebras os ovos.

Comments are closed.