Tarso Genro: ação do mensalão é exemplar

“Seria debochar da Justiça e dos inquéritos achar que todo mundo é inocente”

De Tarso Genro, governador do Rio Grande do Sul, ex-ministro da Justiça e ex-presidente do PT, em entrevista a Lisandra Paraguassu, no jornal “O Estado de S. Paulo“, nesta terça-feira (9/10):

Essa questão do mensalão tem dois processos. Um é o judicial, que devemos tomar como um processo dentro do Estado de direito, democrático, cujo desenvolvimento e resultado têm que ser respeitados, sejam eles quais forem.

Esse processo judicial foi feito dentro dos parâmetros completos da legalidade. Ninguém sofreu violência para depor, ninguém teve seu direito de defesa negado, nenhum juiz foi pressionado, seja pelo Estado, seja pela autoridade policial para tomar qualquer atitude.

Então, este é um processo que deve ser tomado como um exemplo para o País.

Em outras oportunidades isso não foi feito. O caso mais gritante é o processo sobre a compra de votos para reeleição de Fernando Henrique.

O segundo aspecto é um processo paralelo de disputa política sobre os acontecimentos. E nesse sentido eu acho que há uma profunda desigualdade, que é o fato de 90% da grande mídia fechar uma posição favorável à condenação e fazer uma campanha sistemática de culpabilização de todos, sem qualquer tipo de reserva. Isso tem consequências políticas.

Comentários

  1. Olá! Caros Comentaristas! E, FRED! Com a decisão que se avizinha de punição, já determinada hoje, 09/10/2012 no STF, abre a possibilidade de que leis diversas possam ser colocadas na total “inconstitucionalidade”. E ao COAF, começa uma nova etapa. Ainda vai rolar muita coisa, entretanto, Leis como a 9.514/97 sua congênere Lei 10.931/04 e, outras coligadas podem sofrer ataques legítimos de inconstitucionalidade. Especialmente, a Lei 9.514/97, pois, como venho afirmando é TOTALMENTE, inconstitucional. E, pior: Coloca em risco a segurança das FAMÍLIAS no BRASIL. Especialmente, olhando o cenário internacional, EUA, Zona do Euro e outros. Podendo, vez perdido o controle, colocar em risco a segurança nacional. Muita Atenção! Afora essas, há outras! Vai ser muito INTERESSANTE! OPINIÃO!

  2. Concordo que as compras de votos para reeleição de FHC foi tão grave quanto o mensalão. Porém, o tempo não volta e a sociedade brasileira, infelizmente, resolveu se calar diante daquela fraude. Talvez até porque fosse mesmo vontade da sociedade ter um segundo mandato de FHC, que se mostrou uma opção pavorosa e que mostrou que quando a sociedade não tem opções, os políticos se locupletam e viram políticos de rapina. Seria temeroso deixar o mensalão passar, mesmo porque seus atores, para chegar ao poder, se auto-aclamaram vestais. Quanto à FHC restou-lhe um papel de representar uma classe conservadora de uma realidade cruel e discriminadora. Como estampado na camiseta de outro estelionatário eleitoral: “O tempo é o senhor da razão”.

Comments are closed.